domingo, julho 05, 2009

MEMÓRIAS DA COMUNIDADE MINEIRA RIOMAIORENSE. JORNADA COMEMORATIVA DOS 40 ANOS DO ENCERRAMENTO DAS MINAS DO ESPADANAL.















O Centro de Estudos Riomaiorenses (CER), no âmbito do seu plano de actividades, organizará no próximo dia 11 de Julho (sábado) uma jornada dedicada à antiga comunidade mineira do concelho de Rio Maior, comemorando a efeméride da passagem de 40 anos sobre o encerramento das minas de lignite do Espadanal. Com efeito, no dia 6 de Julho de 1969 a actividade das minas foi suspensa com o objectivo de reconversão da lavra para alimentação de central termoeléctrica, cujos estudos, prolongados até ao final da década de 80, não se concretizaram.

A exploração das lignites no sítio do Espadanal registada em 1916 e concessionada à Empresa Industrial Carbonífera e Electrotécnica, Limitada (EICEL), desde 1920, constituiu a maior organização social do nosso concelho após o seu reconhecimento pelo Estado Novo como reserva energética nacional durante a Segunda Grande Guerra.

Em apenas três anos, de 1942 a 1945, a exploração intensiva destas minas resultou num aumento de 25% da população da freguesia de Rio Maior devido a um afluxo de cerca de 1500 pessoas, entre mineiros e familiares.
Esta população emergente que se fixou no pós-guerra com a viabilização da lavra mineira através da construção da Fábrica de Briquetes, introduziu uma profunda alteração no tecido social da nossa comunidade com repercussões até aos dias de hoje.

Passados 40 anos sobre a suspensão deste esforço industrial de gerações, entendeu o CER homenagear os antigos funcionários da EICEL reunindo-os numa Comissão, constituída no âmbito associativo, com o objectivo de fixar as suas memórias e promover o estudo e divulgação de um período decisivo da história de Rio Maior.

Contribuindo para a criação de um futuro núcleo museológico dedicado ao património mineiro local, inaugurar-se-á no âmbito do programa da jornada de 11 de Julho, uma exposição permanente de fotografias históricas de grande formato, com alguns exemplares inéditos, bem como de artefactos da actividade mineira, na sede do Centro de Estudos, sita na Rua D. Afonso Henriques, nº21, com abertura prevista para as 11h.

O CER convida a população de Rio Maior a estar presente nesta justa homenagem a uma comunidade que, com o seu trabalho, contribuiu decisivamente para o desenvolvimento económico, social e cultural do nosso concelho.

In Região de Rio Maior nº1082, de 3 de Julho de 2009.

2 comentários:

Maria disse...

Boa noite, para elogiar o nível apelativo e esclarecedor de um historial, que, há muito tinha em défice na minha curiosidade natural.
Sou artista plástica com atelier no centro de Rio Maior. O meu trabalho (eremita)e a conclusão de uma licenciatura pouca disponibilidade me deixaram para conhecer a história da protagonista de uma das minhas janelas: a torre que se afirma no horizonte.
Completamente solidária com a preservação de todos os patrimónios culturais do Homem, porque afinal, se descartamos as raízes, esgota-se o edifício que somos, aqui ficam os votos de sucesso para o vosso importante e pertinente projecto.
Gostaria ainda de saber se é possível visitar as vossas instalações, no sentido de apreciar a exposição permanente de fotografia sobre historial da referida mina.
Melhores cumprimentos,
maria caldas

Rio Maior disse...

Boa noite Maria!
Agradecemos as palavras gentis que dispensa ao trabalho em curso.
De momento mantemos um horário condicionado à disponibilidade dos associados.
A exposição está aberta ao público todos os sábados entre as 14h30 e as 19h.
Teremos o maior prazer em recebê-la na sede do Centro de Estudos Riomaiorenses.
Com os melhores cumprimentos!